Domingo, 13 de Janeiro de 2008
Uma caixa de Pandora

   

      Recebemos uma prendinha do nosso amigo V.A.D. que nos convidou a escrevermos um texto, com mais ou menos sentido, mais ou menos coerente, onde estivessem presentes os títulos do nossos últimos dez posts. Deixou-nos a nós a tarefa de decidir a quem caberia a tarefa e acabou por calhar à que primeiro viu o embrulho – eu.

      Não digo que seja envenenada, mas pelo menos foi uma prenda muito inesperada, bastante divertida e, a cima de tudo, complicada de desembrulhar! No entanto adorei, até certo ponto fez-me sentir uma derradeira Pandora, se bem que tenha esperança que as consequências não sejam tão desastrosas como as no mito.

     Aqui ficam os nossos autênticos agradecimentos e uma história um tanto aldrabada, que de autêntica só tem o tango (e, que embora não esteja de certo envenenada, não garantimos que não seja entediante):

  

  

    Hoje foi um dia especial, hoje comecei de novo, hoje cravei-te um punhal no coração, bem fundo entre as costelas, enquanto te olhava nos olhos.

 

     Entro pela porta, decidida, segura, convicta. O lugar não é novo (Ah, quantas vezes aqui vim..), nem a resolução (Ah, quantas vezes já evitei o inevitável...). Inspiro fundo uma vez para não perder a coragem, cerro os olhos por um momento, começa uma música a encher o ar, só um murmúrio de violinos. Abro os olhos. Procuro o velho rádio verdejante com o relógio verde, ele também, vejo que são exactamente três horas, mas não vejo qual a frequência na qual se começa a distinguir um insípido tango. Foco o número da perfeição e a música da sedução, mas evito os teus olhos esverdeados que me focam. Perguntas que se passa, eu respondo: acuso-te, insulto-te, ataco-te com a mais aguçadas palavras.

     Enquanto o gume afiado ia penetrando lenta e profundamente nesse teu peito onde outrora repousei a cabeça, senti uma certeza fria a subir-me pela espinha, a arrepiar-me outrora só tu conseguias. Vejo que não posso abdicar de ser quem sou por ti, que o rompimento era eminente, que não havia retorno. Seguro com mais força o cabo, torcendo a lâmina, girando-a com força, sentindo  prazer em sentir a tua pulsação que faz tremer o punhal.

     Está quase meu amado, basta enterrar um pouco mais, uns centímetros, uns instantes, umas notas no violão. Enfrento o teu olhar e nada vejo, nada te espanta, nada te encanta, nada te fere, ficas indiferente. Quem treme agora é a minha mão que segura o punhal, é a mim que ele fere. Esvaio-me em sangue, mas recuso esvair-me em lágrimas. Deixo cair o punhal. O acordeão já se havia calado, já passava um pouco das três, já não havia nada mais a ser dito.

    Saio pela porta, derrotada, magoada, agonizante. Um solitário floco de neve cai sobre a lapela do casaco e desfaz-se imediatamente numa gota de água. Eu sinto-me só e os meus olhos desfazem-se imediatamente numa torrente de lágrimas. Lá dentro deixei o punhal e tudo o que passámos. Cá fora, caiem mais alguns flocos e lágrimas que se confundem. Continuo em frente, tentando inutilmente convencer-me d’a efemeridade do eterno sentimento.

 

            By Sophia 

   

  

“¡Locos! ¡Locos! ¡Locos!

¡Loco él y loca yo!”

   


música: Balada para un loco – Astor Piazzola

publicado por **** às 00:02
link do post | comentar | favorito
|

3 comentários:
De V.A.D. a 13 de Janeiro de 2008 às 03:08
A separação, ainda que inevitável e deliberada, é como um punhal que rasga a carne e fere o espírito. Nada, a não ser o tempo, pode estancar o sangue que verte, incontido e sofrido... Tudo é efémero, até aquilo que se julga ser eterno. A própria eternidade é um mito, pois não há infinidade do tempo, havendo apenas a cessação do mesmo.

A referência à hora foi, indubitavelmente, feita de propósito... :-) É a hora dos fantasmas, a hora negra em que a mente se rebela contra a própria carne, numa explosão de destrutiva loucura incontrolada...

Sabia que o presente ia ser cuidadosamente desembrulhado; as expectativas não foram, de forma alguma, goradas! Agradeço a presteza com que foi dado uso à oferta, amiga!

Aproveito para vos desejar uma excelente noite e um domingo muito, muito agradável!

Beijos... E um sorriso especial para ti, Sofia... :-)


De V.A.D. a 14 de Janeiro de 2008 às 01:50
Pois é...! Ando mesmo um "mãos largas"! Não é que me apeteceu oferecer-vos mais um presente? Está embrulhado em letras azuis da cor de um céu sem nuvens plúmbeas... Espero que o aceitem; é humilde mas reflecte a consideração que tenho por vocês e pelo espaço lindíssimo que têm sabido construir.
Votos de uma óptima noite e de uma semana muito, muito agradável!

Beijos... :-)


De **** a 14 de Janeiro de 2008 às 14:06
Obrigada! Aceitamos com gosto e retribuímos a consideração e o apreço pelo espaço que constróis todos os dias.
Vamos, o mais rapidamente possível, ostentar orgulhosamente essa prenda. =D
Beijos *

Ana M.


Comentar post

.mais sobre nós
.Tempus Fugit...
Fugit irreparabile tempus! Sophia
.Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.There's always something left to be said...
Sophia
.posts recentes

. Is it Still "The Beginnin...

. O tango Inacabado - IV

. O tango Inacabado - III

. O tango Inacabado - II

. O tango Inacabado - I

. in 6 words...

. Antiquitera (XIV) - Epílo...

. Antiquitera (XIII)

. Antiquitera (XII)

. Antiquitera (XI)

. Antiquitera (X)

. Antiquitera (IX)

. Antiquitera (VIII)

. Antiquitera (VII)

. Antiquitera (VI)

. Antiquitera (V)

. Antiquitera (IV)

. Antiquitera (III)

. Antiquitera (II)

. Livro Ilegível

.arquivos

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.count
atlanta listings
.pesquisar
 
.Faz-nos Pensar...
Citação: "Love all, trust a few." Autor: William Shakespeare Citação: Judge your success by what you had to give up in order to get it. Autor: H. Jackson Brown, Jr. Citação: Keep your friends close and your enemies closer. Autor: Attributed to Sun Tzu,
.links
.subscrever feeds