Segunda-feira, 10 de Março de 2008
A última imagem

   

 

                          By Escher

 

  

Diz-se que a última imagem que uma pessoa vê no momento em que abandona este mundo fica gravada na retina, como se fosse esse o último esforço dela para se agarrar à vida. Todo o corpo se começa a desmoronar, a degradar, mas, se se mantivessem os olhos intactos, este último e derradeiro momento ficaria para sempre guardado.

 

Como seria se pudéssemos revelar essa fotografia? Como seria se pudéssemos vislumbrar a visão com que o morto se despediu deste mundo? Como seria ver o instante em que a morte bate à porta e, no entanto, permanecer vivo?

Certamente muitos assassinos seriam descobertos e muitos inocentes ilibados. Obteríamos imagens que, de outra maneira, ao nos passarem pelos olhos anunciariam a nossa fatal condenação. Satisfaria necessidade e curiosidade. Talvez até conseguíssemos ver o rosto da morte, um retrato nítido e objectivo ou um vislumbre espumado e subjectivo.

 

Só a ideia das nossas células serem as fieis depositárias deste último flash já é fascinante. Em vida elas são constantemente activadas e recuperam só para serem impressionadas pelo estimulo que o instante seguinte lhes oferece. Ao acabar o fornecimento de oxigénio param a tarefa, não havendo essa “recuperação”, parando o momento no exacto ponto em que o tempo chega ao fim. Acaba por ser lógico que esta imagem se eternize como nenhuma outra, não passássemos uma vida inteira só à espera dela.

 

 

                                                                          By Sophia  

 

"MAGGOT

The sure redeeming feature
From that little creature
Is that she's alive (…)

 

BLACK WIDOW
Everybody know that's just a temporary state
Which is cured very quickly when we meet our fate
 
MAGGOT
Who cares?
 
BLACK WIDOW
Unimportant
 
MAGGOT
Overrated
 
BLACK WIDOW
Overblown (...)

 

CORPSE BRIDE

If I touch a burning candle I can feel no pain

In the ice or in the wun it's all the same
Yet I feel my heart is acheing
Though it doesn't beat it's breaking
And the pain here that I feel
Try and tell me it's not real
I know that I am dead
Yet it seems that I still have some tears to shed"

  

 

música: Tears to Shed (from the movie ''Corpse Bride'') - Danny Elfman

   http://youtube.com/watch?v=3z1EALZoIpg



publicado por **** às 23:11
link do post | comentar | favorito
|

8 comentários:
De Ana M. a 13 de Março de 2008 às 00:25
Não imaginas o que me fascinou essa ideia quando a compreendi pela primeira vez no filme Wild Wild West ... É simplesmente... espantoso todo o processo da visão, mas, em caso de verdadeiro, este será o mais 'curioso' de todos.
Será que temos consciência da última coisa que vemos ao morrer? Ou será apenas um turbilhão de sentidos? Com certeza dependerá da forma como a morte nos abordará...
Ás vezes gostava de morrer e renascer só para saber o que é não ser, não sentir.

Bj*


De Sophia (do Flip Side) a 13 de Março de 2008 às 19:29
"Ás vezes gostava de morrer e renascer só para saber o que é não ser, não sentir" - às vezes gostava de morrer também para isso, mas seria impossível escolher o modo... queria tentar todas as "abordagens" da morte.
Uma resposta que se pode dar a uma pessoa quando esta pergunta "o que se passará depois de morrermos" é que há uma maneira simples de satisfazer essa curiosidade... porém a hipótese de morrermos e voltarmos atrás ainda é mais aliciante.

Já ficava mais contente se essa hipótese fosse confirmada.
Nunca vi esse filme... lembrei-me simplesmente de algo que há muito tinha lido com a imagem deste fantástico artista.

Beijos


De V.A.D. a 13 de Março de 2008 às 01:53
Seria fantástica, a capacidade de percebermos essa derradeira imagem, talvez alterada pelo estertor da morte, talvez fiel à luz que estimula cones e bastonetes...

Desejo-te uma excelente noite!

Um beijo e um enormeeeee sorriso... :-)


De **** a 13 de Março de 2008 às 19:21
"Seria fantástica, a capacidade de percebermos essa derradeira imagem" - sem dúvida... alterada ou completamente fiel, só a hipótese já é de si interessante. Desde que a li num brevíssimo artigo de revista que fiquei a pensar nas suas implicações...

Muitos beijos sorridentes e que fazem sorrir


De Lucya (FlipSide) a 13 de Março de 2008 às 14:23
Parabéns Sophia,
pelo post extraordináriamente arrepiante!
Nunca ouvi falar sobre este tema e muito menos pensei nisso.
Deixas-me intrigada com as tuas palavras...
Como seria de facto se conseguissemos ver o último momento de alguém antes da sua alma ser retirada do seu corpo?

Sem dúvida um óptimo tema para debate.

Beijos*


De Sophia (do Flip Side) a 13 de Março de 2008 às 19:35
" Como seria de facto se conseguissemos ver o último momento de alguém antes da sua alma ser retirada do seu corpo? " - Algo reservado por enquanto àqueles que não nos podem responder a essa pergunta...
Seria prático e ao mesmo tempo interessante.

Quanto ao "Parabéns (...) pelo post extraordinariamente arrepiante" - obrigada pelo comentário extraordinariamente arguto.

Beijos


De poteta a 13 de Março de 2008 às 22:46
Certamente muitos assassinos seriam descobertos e muitos inocentes ilibados.

Não sei se essa imagem poderia ser usada para isso... primeiro era preciso garantir que essa imagem que nos fica na retina é mesmo a última coisa que a nossa visão capta. Até porque, por vezes, mesmo de olhos abertos, vemos imagens que não as reais... pelo menos isso acontece-me... e nessas alturas, era capaz de jurar que se morresse nessa altura, essa imagem que estaria a ver- que não corresponderia ao que se estava a passar na realidade em frente aos meus olhos- seria a que me ficaria na retina...


De Sophia (do Flip Side) a 14 de Março de 2008 às 01:09
Deveras, pelo que sei, é pouco mais que uma conjuntura a possibilidade de decifrar o que ficou gravado na retina.

Não tinha pensado nisso...
De facto podemos ver de olhos abertos imagens que não são reais, contudo a maioria das ilusões, miragens, alucinações e essas imagens ocorrem pela interpretação do cérebro do sinal que vem da retina. É aí que elaboramos a nossa imagem mental completamente subjectiva. Uma decifração da imagem na retina por meios mecanicos possivelmente dar-nos-ia a representação mais parecida com uma fotografia da nossa vida.
"essa imagem que estaria a ver- que não corresponderia ao que se estava a passar na realidade em frente aos meus olhos" - não sei se notaria na retina, mas no cérebro apareceria de certeza.

Beijos


Comentar post

.mais sobre nós
.Tempus Fugit...
Fugit irreparabile tempus! Sophia
.Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.There's always something left to be said...
Sophia
.posts recentes

. Is it Still "The Beginnin...

. O tango Inacabado - IV

. O tango Inacabado - III

. O tango Inacabado - II

. O tango Inacabado - I

. in 6 words...

. Antiquitera (XIV) - Epílo...

. Antiquitera (XIII)

. Antiquitera (XII)

. Antiquitera (XI)

. Antiquitera (X)

. Antiquitera (IX)

. Antiquitera (VIII)

. Antiquitera (VII)

. Antiquitera (VI)

. Antiquitera (V)

. Antiquitera (IV)

. Antiquitera (III)

. Antiquitera (II)

. Livro Ilegível

.arquivos

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.count
atlanta listings
.pesquisar
 
.Faz-nos Pensar...
Citação: "Love all, trust a few." Autor: William Shakespeare Citação: Judge your success by what you had to give up in order to get it. Autor: H. Jackson Brown, Jr. Citação: Keep your friends close and your enemies closer. Autor: Attributed to Sun Tzu,
.links
.subscrever feeds