Sábado, 15 de Março de 2008
O Momento do Reencontro (2 de 2)

(...)

 

Sempre, volto à superfície sempre. Não abro logo os olhos. Este mundo invade-me, o Meu deixa-me. Há salpicos, o som entra-me pelo ouvidos, sacode-me a alma, o sol queima-me a pele, deixa a sua marca sem eu o querer, a diferença de temperatura volta, gela-me o sangue. As pálpebras permanecem cerradas. Deixo-me flutuar. A água agita-se reclamando da deslealdade, do abandono, ela como amante traído, eu como fugitiva forçada. As pestanas quedam-se juntas. Não queria sair, quero lá estar e quererei lá permanecer.

Sempre, sempre quererei voltar. Sinto falta daquela solidão reconfortante, desse preenchido vácuo, daquele outro mundo de silêncios e ausências. Toda a calma me fascina, assim imagino a morte. Mas o mundo dos vivos chama-me, domina os sentidos, reclama o meu regresso, exigindo não só o corpo, mas arrancando também a alma. Levo com salpicos da prima, gritos do irmão, risos do tio e com o murmúrios do desconhecido. Passou o momento sem que ninguém, se não eu, reparasse. Debaixo de água sinto que posso deixar o meu corpo para trás, no entanto sinto-me mais eu que nunca. Todavia o momento acaba, é a pior coisa no fascínio do efémero, a imperfeição que dá beleza ao momento. Por enquanto faz-me companhia a nostalgia e conforta-me a esperança dum novo momento do reencontro.

 

Não sou a maior apaixonada pela praia, mas amo o mar.

O momento do reencontro com a água é sempre o mais esperado.

É um instante em que consigo deixar tudo de lado e, no entanto, sentir que nada perdi.

É uma das poucas coisas que me consegue acalmar, que me permite abandonar o pensamento, que me liberta dos aguilhoamentos da vida.

 

Mesmo que seja só por alguns minutos, sinto-me sossegada enquanto cada um dos meus terminais nervosos sente a pressão da água a acariciá-lo, enquanto o peso do meu cabelo negro deixa de estar sobre os meus ombros, enquanto as vozes internas e externas são abafadas pelo elemento.

 

 

By Sophia

 

 

"Life keeps tumbliing yout heart in circles

till you... let go (...)

Now you're out there swimming

Now you're out there spinninng

In the deep... In the deep..."

 

música: In the Deep (Bird York)

    http://youtube.com/watch?v=YbQPxJ10KWs&feature=related

     



publicado por **** às 20:20
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sexta-feira, 14 de Março de 2008
O momento do reencontro (1 de 2)

   

              Sempre, à primeira custa sempre. Avanço sobre areia e as ondas lambem-me os pés, por vezes mais sôfregas, sem pudor, outras mais pacientemente, com carinho, por vezes quentes, reconfortantes, outras frias, quase desencorajantes, subindo rapidamente, invasoras, ou esperando lentamente que me entregue, desistente. Avanço e sinto-as pelos joelhos. Avanço e acariciam-me nas coxas. Avanço e abraçam-me a cintura. Sustenho a respiração, em parte pela diferença de temperatura, em parte pelo arrebatamento, em parte pela necessidade. Avanço, mergulho e cercam-me.

             Sempre, sofre-se o choque da mudança sempre. O som cessa, o mundo fica turvo perante os meus olhos, a água afaga-me a pele, a temperatura deixa de se sentir, o tempo pára. Dou um impulso  com o corpo, não tenho noção de quanto avanço. Dou um outro impulso, não tenho noção do que se passa à volta. Dou um novo impulso, não teria noção do tempo não fosse a crueldade da selecção natural me ter moldado para um outro elemento.

Sempre, resisto sempre. Agora infantilmente. Dou um bisonho impulso, já não avanço. Não preciso do canto das sereias, o encanto das ninfas ou o chamamento de Poseidon, basta o leve afago das águas para me prender. Dou um inábil impulso, toda a graciosidade se perde. A caixa torácica sobre e desce em vão. Dou um último impulso, este não só bisonho e inábil, mas indesejado, leva-me para fora. Quebra-se a vontade, quebra-se o encanto, quebra-se o coração. No meio da água talvez fique uma lágrima perdida, podendo chamar meu a um pouco do sal do mar.

(...)

                                       By Sophia

 

 

"allora sì che udir potrei

il mare calmo della sera.

nel mio silenzio"

 

música: Il mare calmo della sera - Andrea Bocelli

   http://youtube.com/watch?v=oW_ax3DmPlY



publicado por **** às 12:44
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

.mais sobre nós
.Tempus Fugit...
Fugit irreparabile tempus! Sophia
.Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.There's always something left to be said...
Sophia
.posts recentes

. O Momento do Reencontro (...

. O momento do reencontro (...

.arquivos

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.count
atlanta listings
.pesquisar
 
.Faz-nos Pensar...
Citação: "Love all, trust a few." Autor: William Shakespeare Citação: Judge your success by what you had to give up in order to get it. Autor: H. Jackson Brown, Jr. Citação: Keep your friends close and your enemies closer. Autor: Attributed to Sun Tzu,
.links
.subscrever feeds